X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
PUBLICIDADE

É mais inteligente, o livro ou a sabedoria?

“ Abra seus olhos, seus ouvidos e sua mente. ”

É mais inteligente, o livro ou a sabedoria?
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

É mais inteligente, o livro ou a sabedoria?

“ Abra seus olhos, seus ouvidos e sua mente. ”

Por Maria Eugênia

 

Em uma visita recente a uma escola, para falar sobre táticas em sala de aula e acompanhamento individual de uma aluna com dislexia severa, percebi a necessidade de esclarecer uma coisa muito importante: porque que os disléxicos têm dificuldade em aprender a ler e escrever.

Primeiro e mais importante a ser dito, é que os disléxicos severos e os outros de todos os níveis e tipos de dislexia, têm todas as condições para aprender qualquer coisa, inclusive a ler e escrever. É a forma convencional do nosso sistema de ensino e do ensino do próprio alfabeto que não foi desenvolvida para ensinar crianças disléxicas.

Vamos por partes: o que é o alfabeto?

On line é possível encontrar um monte de respostas, mas vou reduzir bastante aqui, só para evidenciar o importante:

“Alfabeto... é uma forma de escrita de signos..., pois possui grafemas que representam fonemas de uma língua...”

“conjunto das letras de um sistema de escrita, dispostas em ordem convencionalmente estabelecida.”

Vamos trocar em miúdos e perceber como as crianças vêm o alfabeto:

1)    Primeiro o alfabeto é formado por desenhos (letra – grafema)

2)    São 26 desenhos, aos quais chamamos de letras

3)    Para esses desenhos foram dados nomes (sons – fonemas)

4)    São 26 sons diferentes relacionados a 26 desenhos diferentes

5)    Os desenhos não dão nenhuma “pista” sobre o som com cada qual está relacionado; são associações (na visão de uma disléxica) aleatórias

Ops, vamos fazer uma exceção: o “O”, pois podemos associar o gesto que fazemos com a boca para pronunciá-lo, com o próprio desenho O e imediatamente pronunciar o som /o/

6)    Depois, esses desenhos, já associados aos sons, são organizados em uma sequência “que se tornou” convencional

Vamos parar por aí e analisar:

1)    Os disléxicos têm como dominante, o lado direito do cérebro, sendo intuitivo, criativo, emocional, visão e lógica global, etc.

2)    Associação e sequenciação, são atividades exercidas primordialmente pelo lado esquerdo do cérebro (lembre-se o disléxico usa o lado direito preferencialmente)

3)    A grande maioria dos disléxicos tem uma dificuldade acentuada com a memória imediata.

Eu mesma falo que sou acometida pela síndrome do “hã”!!!!.

Diálogo:

Interlocutor: - Quantos anos vc tem?

Disléxico: - Hãããã!!!!!!!

Se a pessoa, já adulta, por causa da dificuldade com a memória imediata, não tem nem capacidade para dizer sua idade no tempo esperado, nem mesmo de xingar “aquilo”, “aquele negócio” (mesa) em que ela deu uma topada, como querer que uma criança associe 26 desenhos, a 26 sons aleatórios (vamos continuar entendendo que na cabecinha de uma criança são conexões aleatórias, por favor?!), organizar tudo isso numa sequência “exata”, preestabelecida, e usar de forma adequada uma combinação desses desenhos e sons, para formar inúmeros conjuntinhos de letras (palavras), que produzem ainda um outro som diferente daqueles aos quais as letras individualmente foram associadas, tudo isso até os 8 anos?

Pronto, fácil assim, daqui em diante, produzir frases e textos, ser considerada inteligente e passar de ano!!!! Só que não!!!

“Daí eu cresci, mas ainda não consigo escrever, ou ler as palavrinhas e por isso não vou passar de ano. Meus amigos, mais inteligentes que eu, vão passar de ano.”

Essas palavras acima, não são de ninguém específico, mas surgiram de um sentimento que provavelmente é comum a muitos, se não a todos os disléxicos.

E se vocês não se comoveram até agora, entendendo quanto esse processo é difícil para um disléxico eu, escrevendo, estou tentando conter a emoção, lembrando da garotinha que me inspirou esse texto, imaginando uma cena vivida por ela. Chegou em casa feliz, contando para a mãe como os insetos se reproduzem e a mãe perguntou orgulhosa do conhecimento adquirido pela filha:

“- Que legal filha, você aprendeu isso hoje na escola?”,

“- Não mãe, eu ouvi meus coleguinhas de sala aprenderem, enquanto eu desenhava o “C”.”

E aqui... perdi o pensamento e as palavras!!!!

O que fazer para tudo isso mudar, para por fim a tanta crueldade?

Lembrei de outro disléxico, mas esse já adulto, doce, inteligente, simpático, solícito, que faz consertos de todo jeito, computadores, eletrônicos, elétricos, hidráulicos... param nas mãos dele os problemas que os “profissionais” não conseguiram resolver e ele resolve, mas não tem coragem de cobrar por isso, pois se sente incapaz por não saber ler e escrever.

Ok!!! Ainda não deu para entender que os disléxicos aprendem?

Seja de ouvido, entender como os insetos se reproduzem; seja para consertar eletrônicos; escrever esse texto agora; criar o teste psicológico Bender, usado inclusive para a avaliação disgnóstica da dislexia, criado pela neurapsiquiatra pediatra Laureta Bender; escrever livros como escreveu Agatha Christie; desenhar ratinhos como Walt Disney; para transformar sonhos em filmes como Steven Spielberg; ou seja para ter um constante olhar questionador, a ponto de transformar tudo em teorias que mudaram a visão do homem sobre o mundo e que continuam a ser comprovadas até hoje, como fez Albert Einstein!!!! Todos esses, disléxicos.

“É mais inteligente, o livro ou a sabedoria?” (Marisa Monte)

Todas as produtoras da época recusaram o ratinho de Walter Elias Disney, que chegou a ouvir: “Desista você não tem futuro”. Ele acabou abrindo a própria produtora, que cresceu e se transformou no Walt Disney Studios.

Albert Einstein foi considerado burro pela professora de gramática, que chegou a dizer que ele “não chegaria a lugar nenhum”, aprendeu álgebra com um tio e apesar de nunca ter conseguido o diploma de formação, foi professor na Universidade de Princenton.

“É mais inteligente, o livro ou a sabedoria?”

Passar ou não passar de ano uma menininha que ainda está aprendendo a letra “C”, mas aprendeu, “sem querer”, como os insetos se reproduzem?

Se é para ficar mais claro, sim os disléxicos têm dificuldades para aprender a manipular o alfabeto e a produzir ou ler textos da forma esperada.

Mas irão surpreender se lhes for dada a chance de demonstrar o quanto são inteligentes. Quem sabe evitaremos, ou ajudaremos a superar, suas inseguranças, consequência de tantas histórias de fracassos e comparações com outros coleguinhas considerados “melhores” que eles. Somos todos diferentes e assim devemos ser enxergados. Todos temos dificuldades e potencias. O que precisamos desenvolver é um olhar acolhedor e uma compreensão de que cada um tem algo com que contribuir. Não devemos julgar ninguém como menor, por suas dificuldades.

Devemos ser olhados e avaliados no que temos de melhor para dar!!!!

É mais inteligente, o livro ou a sabedoria?

É mais inteligente, o que eu posso lhe dizer, ou o que você espera e como você espera, que eu diga?

Abra seus olhos, seus ouvidos e sua mente. Acolha e faça a diferença em sua vida.

 

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Olá, deixe seu comentário para É mais inteligente, o livro ou a sabedoria?

Já temos 13 comentário(s). DEIXE O SEU :)
SusiBaby Guilherme

SusiBaby Guilherme

Adoro ler seus textos, precisamos de uma visão individualizada, cada um tem seu potencial e formas distintas de compreensão! PARABÉNS pelo.belo trabalho!
★★★★★DIA 30.07.19 08h05RESPONDER
Nubia Paula
Enviando Comentário Fechar :/
Maria Eugênia Braga

Maria Eugênia Braga

Obrigada, Querida!!!!
★★★★★DIA 01.08.19 13h05RESPONDER
Nubia Paula
Enviando Comentário Fechar :/
Lia Oliveira

Lia Oliveira

Texto tocante e esclarecedor!
★★★★★DIA 28.07.19 08h44RESPONDER
Nubia Paula
Enviando Comentário Fechar :/
Maria Eugênia Braga

Maria Eugênia Braga

Que bom!!!! Obrigada!
★★★★★DIA 01.08.19 13h05RESPONDER
Nubia Paula
Enviando Comentário Fechar :/
Tina Mota

Tina Mota

Muito esclarecedor esse texto!
Parabéns!!
★★★★★DIA 26.07.19 18h46RESPONDER
Nubia Paula
Enviando Comentário Fechar :/
Maria Eugênia Braga

Maria Eugênia Braga

Obrigada, Tina!
★★★★★DIA 01.08.19 13h06RESPONDER
Nubia Paula
Enviando Comentário Fechar :/
Joca Ianhez

Joca Ianhez

Lindo texto.!!! Parabéns!!!
★★★★★DIA 26.07.19 10h21RESPONDER
Nubia Paula
Enviando Comentário Fechar :/
Maria Eugênia Braga

Maria Eugênia Braga

Bj na alma!
★★★★★DIA 01.08.19 13h07RESPONDER
Nubia Paula
Enviando Comentário Fechar :/
Maria Eugênia Braga

Maria Eugênia Braga

Que bom que gostou Denise, obrigada!
★★★★★DIA 26.07.19 09h01RESPONDER
Nubia Paula
Enviando Comentário Fechar :/
Cybelly Reis

Cybelly Reis

Muito bom para percebemos que o convencional não serve para todos. Parabéns a autora que também enfrentou todos esses desafios e sabe que suas palavras não são apenas estudo e pesquisa mas sim experiência.
★★★★★DIA 26.07.19 08h06RESPONDER
Nubia Paula
Enviando Comentário Fechar :/
Maria Eugênia Braga

Maria Eugênia Braga

E como ensina essa tal experiência!!!!! Obrigada, linda!!!
★★★★★DIA 01.08.19 13h08RESPONDER
Nubia Paula
Enviando Comentário Fechar :/
Denise Ramos

Denise Ramos

Texto maravilhoso e esclarecedor!
★★★★★DIA 25.07.19 23h36RESPONDER
Nubia Paula, Maria Eugênia Braga
Enviando Comentário Fechar :/
Maria Eugênia Braga

Maria Eugênia Braga

Obrigada, Denise!!!
★★★★★DIA 01.08.19 13h08RESPONDER
Nubia Paula
Enviando Comentário Fechar :/
Enviando Comentário Fechar :/
PUBLICIDADE