X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
PUBLICIDADE

Do que precisa um adolescente?

De que precisamos passar por tudo isso aí, eu não tenho dúvidas! Precisamos não ter todos os nossos desejos atendidos e chorar por isso, precisamos entender nossos limites pessoais e os dos outros.

Do que precisa um adolescente?
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Do que precisa um adolescente?

Ando pensando muito sobre isto ultimamente. Talvez por estar rodeada por eles na minha casa – são três pré-adolescentes e dois adolescentes – ou mesmo por receber, diariamente, mensagens com pedidos de ajuda de todos os lados.

Há mães e pais que, muitas vezes, não sabem como lidar com as mudanças e se perguntam: “Cadê aquela minha criança calma?” e há jovens com relatos de que se sentem sozinhos, incompreendidos.

As pessoas repetem constantemente que o que falta para os nossos adolescentes são limites, que são crianças que não se frustraram, que não ouviram “nãos” suficientes. Permita-me concordar, mas com ressalvas.

De que precisamos passar por tudo isso aí, eu não tenho dúvidas! Precisamos não ter todos os nossos desejos atendidos e chorar por isso, precisamos entender nossos limites pessoais e os dos outros. Mas, de verdade, é só isso que está faltando para os adolescentes?

Na minha opinião de mãe, o que vejo é que está faltando, e muita, conexão, presença, aceitação, confiança. Os pais precisam entender que os filhos estão crescendo e que isso significa passar por mudanças, pois há uma intensa atividade do cérebro deles preparando-se para ser um adulto! O que significa que os amigos são mais importantes, que as novidades fascinam e que o sono se agiganta! Tudo se torna muito intenso: os primeiros amores, as primeiras brigas, os primeiros “tudo”, porque eles não entendem e não querem pensar que acontecerá de novo e que haverá uma próxima! O importante é o agora!

Porém, vamos pensar: que horas foi que esquecemos que nós já passamos por tudo isso? Lembrar das nossas experiências passadas é o que vai nos fazer acolher a dor do filho/filha e nos fazer entender que o término de um namoro, por exemplo,  é, sim, algo doloroso para ele/ela e não é apenas uma grande bobagem! Isso é desenvolver presença e conexão quando eles mais precisam!

Se você minimiza o sentimento, debocha, critica...Você acredita, mesmo, que você será a pessoa a qual o adolescente vai buscar em sua próxima dor, enrascada, medo?

O que eu mais escuto quando converso com os jovens é: “Agora tudo o que sinto é frescura” ou “Eu me sinto só” ou, pior ainda, “Eles não me entendem, não me aceitam e não confiam em mim”.

 Então, como? Como se conectar a eles?

Para mim, existem algumas questões básicas que nós como pais temos de refletir:

·      Você quer ouvir de verdade ou apenas esperar ele parar de falar para então ser obedecido?

·      Você quer entender e aceitar, mesmo não concordando? Está pronto para pontos de vista diferentes do seu?

·      Você consegue acolher sentimentos (lembrando que eles são intensos e tudo é muito urgente) ou vai achar que é tudo uma grande bobagem que vai passar?

·      Você confia na capacidade do seu filho? Ou acha que precisa tomar conta de tudo? Até do dever de casa? 

Eu tenho um adolescente de 12 anos que me ensina todos os dias. Temos pontos de vista diferentes, mas nos respeitamos. Em todas as vezes que ele me trouxe problemas de escola, eu escutei e o entendi. Algumas vezes, depois de tudo, coloquei o meu ponto de vista sobre a situação e esperei que ele decidisse. Outras vezes, precisei decidir por ele.

Como mãe, eu tenho o que chamo de poder protetor, ou seja, preciso cuidar da segurança e da saúde dele. Isso quer dizer que, muitas vezes, eu decido do meu jeito, mas tudo é muito conversado.

O que eu estou querendo dizer não é que eles têm poder ou sempre têm razão. Contudo, na minha opinião, desde cedo eles têm os mesmos diretos de sentir, de falar, de ter seus limites respeitados. Sabe respeitar, quem é respeitado. Sabe ouvir, quem é ouvido.

Então, repito, na minha opinião, desde sempre, crianças e adolescentes precisam de presença verdadeira. Se isso existir, todo o processo acontecerá de maneira intensa, sim, turbulenta, muitas vezes, mas respeitosa, sempre. E assim, nossos adolescentes não se sentirão sozinhos.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Veja Também:

Artigos Relacionados

Olá, deixe seu comentário para Do que precisa um adolescente?

Enviando Comentário Fechar :/
PUBLICIDADE